Se eu não choro eu afogo,
apronto pra dentro de mim.
Vou morrendo em silêncio,
nem sabem que eu fico assim.
Morro na fila do banco,
no banco no fim do jardim.
Morro quando acordo cedo demais,
quando olho pro teto e vejo o vazio sem fim.
Eu morro aos finais de semana,
quando a vida gira, gira, gira.
E eu não aprendi a girar assim.
Jorge de Castro

379
"Penso: o lugar dos homens é uma linha traçada entre o desespero e o silêncio."
José Luís Peixoto, Nenhum Olhar 
105

ao mesmo tempo quero tanto fugir porque é tudo tão incerto e eu não percebo nada. nunca percebo nada.

50